Disciplina! Uma meta à ser alcançada, sempre!

Um dos meus pastores sempre ensina em nossa igreja sobre o que ele chama de “disciplinas da fé”:

  • Ler a Bíblia : Sempre ler e estudar. Ter um horário especial e regular, um cantinho tranquilo, um pequeno caderno pra anotações sobre as lições aprendidas e meditações. Ter contato diário com a Palavra é FUNDAMENTAL. Não é uma coisa boa, é uma coisa necessária!!! O Salmo 119 inteiro fala disso! Ler e estudar a Bíblia diariamente tem que ser prioridade na sua agenda! (Cl 1:9 / Jo 5:39 / Ef 5:15-17 / 2Tm 3:16). Como vou fazer a vontade do Pai sem conhecer a sua Palavra?!
  • Orar: Se Deus é seu pai (Jo 1:12 / Jo 3:3 / Jo 3:36), tem que haver conversa nesse relacionamento. Marque encontros diários com Ele! Desfrute de um relacionamento real com aquele que te salvou! Se você tivesse um horário marcado com uma autoridade política da sua cidade você faltaria? Deus, seu Pai, está acima de qualquer autoridade! Ele te ama e quer te ouvir. Leve suas alegrias, frustrações, pedidos e adoração até Ele! (Fp 4:6 / Cl 4:2)
  • Servir: Existe uma idéia “pós-moderna-gospel” (entenda “satânica”) de que devemos ter um relacionamento com Deus mas não precisamos de uma igreja local! Isso é uma MENTIRA! Deus planejou a igreja, local e universal. Somos aperfeiçoados e amadurecemos nossa fé (também) nos relacionamentos que temos com outros salvos por Cristo. Relacionar-se com o povo de Deus é ter que lidar com diferenças de opinião, personalidade, temperamento. Isso vai trazer alguns conflitos, com certeza. Mas a igreja local é um instrumento de Deus para nosso aperfeiçoamento (Ef 2:19). Ser parte do Corpo de Cristo significa envolver-se com seus dons e talentos também. Ponha as suas capacidades (que foram dadas por Ele) no serviço da sua comunidade cristã local. Você o honrará, será aperfeiçoado e abençoará a outros.

Se essas 3 DISCIPLINAS da FÉ estiverem firmes na sua vida, tudo o mais será bem sucedido! Trabalho, família, finanças, planos, relacionamentos… Tiago 1:25!

Invista nelas diligentemente! Discipline-se!

O que é um fotógrafo-cristão ?

O que é um Fotógrafo-Cristão, afinal?
Qual a diferença entre um fotógrafo e um fotógrafo-cristão?

Essa é a grande pergunta desse blog. Espero voltar muitas vezes nesse tema.

A nossa tendência é procurar a diferença entre a fotografia comum e a fotografia cristã. Mas será que tecnicamente, o ato fotográfico é diferente porque o fotógrafo é cristão ou não? Um cristão, muçulmano ou hindú configura ou opera sua câmera de maneira diferente? Equipa-se de maneira diferente? Usa o Photoshop de maneira diferente?

Procurar a diferença nesse nível é absolutamente inútil. O uso do equipamento certamente não é distinto por conta de convicções religiosas/espirituais distintas. A boa técnica fotográfica é comum a todos os bons fotógrafos.

Pra ajudar nossos leitores com seu equipamento temos muitos artigos de orientação técnica aqui, mas nossa preocupação deve ser aprofundada para começarmos a responder essa questão: Quem é o Fotografo Cristão?

Quero propor uma primeira reflexão: tire a palavra Fotógrafo da pergunta, por enquanto. Então, quem é o Cristão?

O Cristão verdadeiro e maduro na fé, tem convicções profundas e decisivas e baseadas nas Escrituras:

  • O verdadeiro cristão sabe que nasceu pecador e separado de Deus. Em algum momento de sua vida ouviu da Palavra de Deus e se percebeu carente da salvação que só Cristo pode dar.

“Porque todos pecaram e destituídos estão da glória de Deus.” Rm 3:23

  • Ele aceitou como presente de Deus a salvação em Cristo e foi feito filho adotivo de Deus

“Mas, a todos quantos o receberam, deu-lhes o poder de serem feitos filhos de Deus, aos que crêem no seu nome.” Jo 1:12

“Quem tem o Filho tem a vida; quem não tem o Filho de Deus não tem a vida.” I Jo 5:12

  • Ele sabe que após sua morte estará com o Senhor pra sempre porque Ele o salvou e não existe merecimento humano nisso.

“Porque pela graça sois salvos, por meio da fé; e isto não vem de vós, é dom de Deus.” Rm 2:8

  • O cristão genuíno também é absolutamente convicto da eternidade e sabe que as ações de qualquer pessoa tem desdobramentos eternos. Sabe que a vida passa rápido e mantém sua vida no que é eterno.

“E, como aos homens está ordenado morrerem uma vez, vindo depois disso o juízo” Hb 9:27

“Se esperamos em Cristo só nesta vida, somos os mais miseráveis de todos os homens.” I Co 15:19

  • O Cristão sabe que tem a missão de compartilhar a Palavra de Deus com outras pessoas. Ele quer a salvação dos que ainda não conhecem Cristo. Ele quer comunicar Cristo!

“Portanto ide, fazei discípulos de todas as nações, batizando-os em nome do Pai, e do Filho, e do Espírito Santo;” Mt 28:19

“E todos os dias, no templo e nas casas, não cessavam de ensinar, e de anunciar a Jesus Cristo.” At 5:42

  • Ele cultiva um relacionamento diário e crescente com Deus em oração e aprofundamento nas Escrituras. Leva a Deus seus medos, preocupações, ansiedades, alegrias, planos…

“Não estejais inquietos por coisa alguma; antes as vossas petições sejam em tudo conhecidas diante de Deus pela oração e súplica, com ação de graças.” Fp 4:6

“Orai sem cessar”. I Ts 5:17

  • Ele também sabe que a igreja é um projeto de Deus fundado por Jesus para aperfeiçoamento dos seus filhos. Por isso o cristão sincero busca estar unido à sua comunidade cristã local e junto com outros irmãos, cresce na sua fé e adora a Deus individualmente e comunitariamente.

“Não deixando a nossa congregação, como é costume de alguns, antes admoestando-nos uns aos outros; e tanto mais, quanto vedes que se vai aproximando aquele dia.” Hb 10:25

“Mas, se andarmos na luz, como ele na luz está, temos comunhão uns com os outros, e o sangue de Jesus Cristo, seu Filho, nos purifica de todo o pecado.” I Jo 1:7

“Suportando-vos uns aos outros, e perdoando-vos uns aos outros, se alguém tiver queixa contra outro; assim como Cristo vos perdoou, assim fazei vós também.” Cl 3:13

  • Ele busca viver uma vida de exemplo e respeito a todos porque ele sabe que é um representante de Cristo aqui na terra. Suas atitudes devem refletir Cristo na sua vida. A sociedade ao seu redor percebem seu caráter transformado por Cristo.

“Para que sejais irrepreensíveis e sinceros, filhos de Deus inculpáveis, no meio de uma geração corrompida e perversa, entre a qual resplandeceis como astros no mundo;”
Fp 2:15

“Para que possais andar dignamente diante do Senhor, agradando-lhe em tudo, frutificando em toda a boa obra, e crescendo no conhecimento de Deus;” Cl 1:13

  • Ele vê a soberania de Deus em tudo que acontece em sua vida e no decorrer da história de todas as pessoas, instituições e governos. Sabe que nada escapa aos olhos do Senhor. Sua visão de mundo é ampla e profunda por conta disso.

“Os olhos do SENHOR estão em todo lugar, contemplando os maus e os bons.” Pv 15:3

  • Ele busca entender a Palavra, o mundo e seu próprio coração baseado na Palavra de Deus e não em opiniões humanas. Seu relacionamento com o Senhor o leva na direção de pensar como Deus pensa e agir de acordo com a Sua vontade.

Sabemos que somos de Deus, e que todo o mundo está no maligno.” I Jo 5:19

“Porque não temos que lutar contra a carne e o sangue, mas, sim, contra os principados, contra as potestades, contra os príncipes das trevas deste século, contra as hostes espirituais da maldade, nos lugares celestiais.” Ef 6:12

“Enganoso é o coração, mais do que todas as coisas, e perverso; quem o conhecerá?” Jr 17:9

“Mas, o que sai da boca, procede do coração, e isso contamina o homem.” Mt 15:18

“Tende cuidado, para que ninguém vos faça presa sua, por meio de filosofias e vãs sutilezas, segundo a tradição dos homens, segundo os rudimentos do mundo, e não segundo Cristo;” Cl 2:8

“Para que a vossa fé não se apoiasse em sabedoria dos homens, mas no poder de Deus.” I Co 2:5

“A tua palavra é a verdade desde o princípio, e cada um dos teus juízos dura para sempre.” Sl 119:160

“Disse-lhe Jesus: Eu sou o caminho, e a verdade e a vida; ninguém vem ao Pai, senão por mim.” Jo 14:6

Não quero ser e ninguém devería se conformar em ser um fotógrafo medíocre, nem um médico, professor, policial, engenheiro medíocres. Deve haver alegria, conhecimento, esforço e capricho em tudo que fazemos.

Mas pior que isso é ser um cristão medíocre. Porque o tipo de cristão que somos influencia profundamente no profissional que somos. Agimos por nossas verdadeiras convicções, mesmo quando não nos damos conta disso. Nossos valores guiam nossas atitudes e atos.

Pare e pense: a diferença entre um fotógrafo e um fotógrafo-cristão é o CRISTÃO!

Fotografando pra abençoar!

dsc_3470

Alguns de nós fotografamos dentro de nossas igrejas, comunidades locais ou em eventos que elas produzem. Isso é muito legal! Muito útil! Em minha igreja temos um Ministério de Comunicação (uma espécie de “agência publicitária” dentro da igreja), que por sua vez tem um grupo de fotógrafos (Ministério Click) que é encarregado, entre outras coisas, de produzir registro fotográfico de todos os eventos da igreja.

Mas, em toda igreja, estamos sempre correndo o risco de vermos uma cena inusitada, desastrada, trágica… e estamos com a câmera na mão! Um irmão dormindo no culto, um tombo ou tropeço, uma convulsão ou desmaio, uma peruca ou dentadura que cai… pode parecer engraçado, mas será que é mesmo? Já parou pra se colocar no lugar daquele que passa por uma dessas situações? São coisas bem possíveis de acontecer diante de nós.

Aí vem aquele dilema ou impulso: registrar isso ou não?

Gostaria de propor que você refletisse sobre um certo ponto de vista: Existe um ditado popular, que muito corretamente diz: Uma imagem vale mais que mil palavras!

O que está por de traz desse ditado é a FORÇA, o impacto, a intensidade que uma boa imagem, feita na hora certa, no lugar certo, pode ter no objetivo de transmitir uma mensagem (boa ou ruim). Existem muitas imagens na história da fotografia que falam por si só. Algumas chocam, mobilizam, causam nojo, nervosismo, entusiasmo, choro, raiva, pena… Somos muito visuais, nosso mundo é muito visual. Somos intensamente tocados por imagens intensas.

Mas, em Efésios 4:29 diz: “Não saia da vossa boca nenhuma palavra torpe, mas só a que for boa para promover a edificação, para que dê graça aos que a ouvem.”

Uau! Quantas vezes pecamos sobre esse versículo!

Pense nas imagens que você produz sobre a sua comunidade, e mesmo sobre pessoas e situações fora dela, como PALAVRAS: Não saia da vossa câmera nenhuma imagem TORPE. Apenas produza o que edifica, honra e constrói, assim como tudo que fazemos como cristãos:

“Portanto, quer comais quer bebais, ou façais outra qualquer coisa, fazei tudo para glória de Deus”. I Co 10:31

Portanto quer ensineis, faleis…FOTOGRAFEIS!!!!!

Não seja um “paparazzi cristão”, no pior sentido da palavra. Seja uma pessoa que tem a mente de Cristo, conforme ICo 2:16b : “Mas nós temos a mente de Cristo.”

Pegadinhas, piadinhas, chacotas sobre acidentes e incidentes alheios são coisas que os meios de comunicação de mais baixa qualidade moral são afoitos em produzir e publicar. Mas Deus tem uma outra CULTURA desenhada para que a vivamos. Nossa estética, intenção e feitura das coisas tem que ser diferente. Tem que ser feito à maneira dEle!

Fotografar é uma ato intelectual, cognitivo e volutivo! Você faz escolhas (muitas) ao fotografar. Use a mente de Cristo! Escolha as imagens assim como deve escolher zelosamente as palavras! Às vezes, escolha não fotografar!!! Não registre, muito menos divulgue (email, Facebook, Instagram…) cenas que envergonham, constrangem, denigrem a imagem ou reputação de ninguém.

Que Ele mesmo nos oriente, capacite e abençoe para sermos instrumentos de benção e nunca instrumentos de maldição.

Perspectivas forçadas. Criativo e Divertido!

Algumas vezes encontramos essa “técnica” como Sobreposição Proposital. Na verdade há pouco de técnica e bastante de atenção e criatividade pra fazer.

Veja alguns exemplos em que, via de regra, a idéia é bem-humorada.

eeofpp-35

576498_267348183364037_487164001_n

18240_260512074071803_1296084121_n

531518_296130630485792_1387397144_n

Para os casos acima é interessante usar uma abertura bem pequena (f/11 ou mais fechada) pra ganhar foco em tudo e, para achatar a perspectiva (aproximar o plano de fundo com o plano da frente) use uma tele-média.

Tem gente que faz dessa idéia um “estudo de caso”! rsrs. A lua e o sol são vítimas recorrentes. Rsrs

559347_290479537717568_590093019_n

425367_317983101581641_313663485346936_828273_69950128_n

Há também uma outra “vertente” com desenhos. Vai exigir um tanto a mais de talento artístico, mas fica bem legal.

183548_497768026900879_392277046_n

408716_391364714265967_568011452_n

522618_123440114447182_862803931_n

Tem outros sobre paredes e fundos montados ou desenhados…

eeofpp-23

eeofpp-01

522961_443841728967874_762552778_n

Também podemos desenhar ou incrementar na pós-produção…

263536_357515424344213_1998687604_n (1)

383402_439229169445528_603169191_n

Mas acima de tudo, use a imaginação combinada com a observação! Os resultados podem ser bem surpreendentes apesar de simples.

eeofpp

421317_431645536883908_832404292_n

eeofpp-20

59683_434516049940831_1019286719_n

46553_434940353219248_201821618_n

eeofpp-39

eeofpp-73

eeofpp-15

206285_424619204253208_417062782_n

246473_319901008108754_262368338_n

59603_441292902601549_1505530760_n

Divirta-se muito e seja imaginativo!!!

Acessórios muito importantes!

Bom…você já planejou, pesquisou, juntou dinheiro, comprou sua DSLR e talvez uma ou duas lentes fora do kit. Acha que a brincadeira acaba aí?! O dinheiro acaba, mas a lista de possibilidades de “incrementar” seu arsenal, nunca!

Se eu tivesse que recomendar uma conjunto básico de acessórios muito importantes, seria o seguinte (e EU compraria nesta ordem de prioridades):

Bolsa

Seu equipamento é caro. Então é muito importante investir em uma proteção adequada para o transporte. Existe no mercado uma infinidade de marcas e modelos de mochilas e bolsas fotográficas de todos os tamanhos, estilos e preços. Escolha uma que seja adequada ao seu kit mais recorrente. Por exemplo: um corpo DSLR, 2 lentes, 1 flash, baterias e cartões extras. Verifique a qualidade das costuras e o conforto oferecido para carregá-la. Prefira aquelas que não são muito chamativas. Existem varias opções de mochilas que não se parecem em nada com uma bolsa de equipamentos fotográficos. Isso pode evitar problemas com ladrões.

Se você já tem bastante equipamento, pense minuciosamente nos compartimentos da bolsa em questão. Verifique se você consegue deixar tudo o que precisa levar em nichos bem posicionados de maneira que possa achar qualquer item rapidamente.

Também considere as seguintes questões: Precisarei levar um notebook junto? Quero o tripé pendurado na mochila, ou em um bag separado? Preciso de um compartimento para itens pessoais (celular, carteira, lanche…)?

mochila

Existem mochilas com uma capa de chuva específica pra cada modelo. Se você é do tipo “fotografo-aventureiro”, “fotógrafo-mochileiro”… esse detalhe é muito interessante.

Mochila Fotografia

Também encontramos no mercado mochilas que tem um conjunto de espumas na parte de trás que mantém uns vãos, uns espaços, entre as costas da pessoa e a traseira da mochila, melhorando a circulação do ar na região. Tenho uma assim e é muito confortável pra ficar longos períodos com ela pendurada.

Filtro UV

É um dispositivo feito pra proteger sua sente contra raios UV. Ele melhora a definição de cores da imagem e cria também uma proteção física contra possíveis trombadas que você dará com sua lente enquanto ela é carregada. Compre um filtro de boa qualidade, do contrário, você pode estar colocando um “vidrinho” em frente a sua querida e sofisticada lente. Isso não combina! Rsrs

filtro-uv-bw-58mm-67mm-revestimento-multi-resistente_MLB-O-3053736393_082012

Pra aumentar a proteção contra trombadas e “beijinhos” da lente na parede, use sempre o para-sol dela. Mesmo, sem sol! rsrs

Baterias extras

Tenha pelo menos uma bateria extra pra a sua câmera. Vale a pena. Não há nada mais frustrante do que ter que interromper sua sessão por falta de bateria. Principalmente quando você está longe de uma tomada e um carregador! Acredite, a carga da bateria só acaba quando a gente tá sem uma extra no bolso. Rsrs.
Também considere a possibilidade de adquirir um Battery Grip. É um compartimento extra acoplado á parte de baixo da sua câmera que, além de comportar uma segunda bateria, ainda oferece mais conforto ao fotografa em posição Portrait (com a câmera girada) porque ele tipicamente tem um botão disparador “repetido”. Assim você não precisa fica apontando para o céu com o cotovelo direito pra fotografar com o quadro “em pé”.

Grip D800

Cartões extras

Cartões extras são fundamentais. Se puder, tenha vários. De preferência, não muito grandes em capacidade de armazenagem. Cartões estão sujeito a “travarem”, por isso não economize, compre os melhores. É melhor ter 4 cartões de capacidade média do que 2 grandes, porque se houver algum problema com um deles, você não terá perdido tanta informação. Imagine se você estiver cobrindo um casamento! Ai, ai, ai.

Mantenha-os em um estojo apropriado para transporte para que eles não se percam no bolso em meio a outros itens. Dica: Sempre que tirar um cartão “cheio” da câmera, coloque-o no estojo virado ao contrário, assim você facilmente saberá quais já foram usados.

case-porta-cartoes-de-memoria-sd-mini-micro_MLB-O-3093010641_082012

Tripé

Quando fotografamos em velocidades mais lenta que 1/60s com a câmera na mão, a chance de termos como resultado uma imagem tremida é enorme. Se a lente for mais longa (mais “tele”), essa velocidade mínima tem que passar pra 1/90s… conforme a lente, até mais. Isso significa que sempre que quisermos fazer uma foto com uma teleobjetiva longa, ou com condição de luz muito precária sem uso de flash, teremos que usar um tripé para garantirmos a estabilidade da cena.

Existem tripés de todo o peso e tamanho. Não exagere no porte do seu tripé visto que você vai carregá-lo, mas compre um que seja suficientemente resistente para a carga de equipamento que ele vai suportar.

Os melhores são de fibra de carbono (muuuito caros mesmo), mas para uso “hard” vai valer o investimento. Abaixo destes, temos muitas opções em alumínio, que são excelentes. Desconfie das marcas menos tradicionais. Não vou citar nenhuma aqui, mas nessa área a grife conta pontos na hora de usar. É muito comum, as travinhas plásticas das pernas do tripé quebrarem se forem mal projetadas. Um bom tripé dura bastante, vale a pena investir bem.

Kit de limpeza

Boa parte das situações em que temos que submeter a câmera a uma limpeza, pode facilmente ser resolvida pelo próprio fotógrafo. Utilize uma bomba sopradora para poeira ou ciscos, ou melhor ainda, um pincel tipo Lenspen. Para tirar alguma marca de dedo na lente use um paninho de microfibra específico para lentes. Existem produtos de limpeza em spray específicos para lentes. Não tente usar outra coisa!

lenspen

Se você vai estar em lugares empoeirados, com neblina, partículas suspensas… tenha sempre esses itens simples de limpeza na sua mochila. Sempre que tiver dúvida sobre a limpeza, procure uma assistência técnica especializada.

Disparador remoto

Outra maneira de diminuirmos a chance de termos uma imagem tremida é usarmos um disparador com ou sem fio. Isso porque o simples ato de pressionarmos o botão de disparo da câmera já gera uma vibração indesejada. Além disso, se você quiser aparecer na cena, terá duas opções: temporizar o disparo e sair correndo ou usar discretamente um controle remoto sem fio.

TC80n3

Faça as fotos clichê!

Existe um entendimento meio torto, meio pedante, meio besta… na fotografia. Não generalizando, mas bem presente em blogs, fóruns, páginas… Uma idéia de que tudo tem que ser arte, tudo tem que ser “cult”, meio metido a intelectual. Fotografia é COMUNICAÇÃO! Quando necessário é Arte.

Nessa toada, existe uma ânsia de fazer o que niguém fez… Eu não sei ao certo até onde é possível, verdadeiramente, fazer uma foto que ninguém fez ainda. Não sei se há algum tipo de fotografia que ainda não foi feita. Mas…

Mas foto clichê, não é uma foto que já foi feita, é uma foto que já foi feita muitas vezes, por muita gente. Por exemplo: Foto da esposa em frente a Torre Eiffel, foto de lindas nuvens tirada da janela do avião, foto de baixo pra cima do Cristo Redentor, foto da orquídea linda da casa da vó, criança na piscina de bolinha, o seu gato (tentando ficar no sossego!), árvores vistas bem de baixo pra cima, por-do-sol…

Quero estimular todo mundo a fazer sim, as fotos clichê. Aquelas bem comuns mesmo, que “todo mundo” faz e tenho 7 razões pra isso:

  1. Uma foto clichê é uma foto, então vale a pena fazer pela simples repetição do ato de olhar, apontar, preparar e click! Quem fotografa muito tem mais chances de estar se aperfeiçoando, desde que esteja pensando no que está fazendo.
  2. Faz parte do processo de aprendizado de todo mundo, passar por essas fotos. Faz parte! E também, muitas vezes nos inspiramos em grandes fotógrafos e queremos repetir, ou tentar fazer o que eles fizeram e ninguém está sozinho nisso! Tem muita gente tentando imitar os “grandes caras” da fotografia.
  3. Nem TODAS as minhas fotos precisam ser A FOTO, porque isso realmente não vai acontecer mesmo que eu acredite que vai. Posso até achar que sou um Joe McNally, Sebastião Salgado, Ansel Adams… Mas, na real, pra tirar 2 ou 3 fotos TOP, temos que errar muitas. Inclusive esses grandes fotógrafos passam por isso!
  4. Essa foto exige pouco da minha “construção da imagem” mental. Então encare como um leve aquecimento para o que virá depois e faça o clichê, sem medo de ser feliz.
  5. Assim que você fizer a foto que “todo mundo” faz, você pode se concentrar na próxima, que deve ser a mais interessante, sempre. Faça as óbvias primeiro, assim você “descarrega” sua mente dessa preocupação e parte logo para as mais elaboradas. Especialmente em viagens.
  6. A câmera é sua e você faz o que quiser com ela. Ora, bolas! Se está feliz fazendo fotos que já foram feitas milhares de vezes, ótimo! Quando você achar que é momento de “subir” outro degrau, fará isso com determinação.
  7. Sempre dá pra fazer uma foto melhor e sempre dá pra fazer uma pior. Então capriche inclusive no clichê. Exercite o capricho!

Não quero estimular ninguém a ser medíocre ou se conformar simplesmente com o óbvio, pelo contrário, fazer fotos “batidas” faz parte do processo de aperfeiçoamento. Faz parte da caminhada. Keep walking!

Fazendo as malas

Viajar é muito bom. E pra que tudo corra bem é necessário planejar. Pensar e repensar sobre tudo o que se pretende de uma viagem é minimizar problemas e maximizar satisfação.

Do ponto de vista fotográfico, vou propor aqui um método para planejar sua viagem.

Primeiro coisa a pensar: Qual o objetivo principal da sua viagem? É lazer, trabalho…ou é uma viagem objetivamente fotográfica?

• Se for uma viagem de lazer, lembre-se de não se envolver demais com a fotografia e deixar passar os momentos de lazer em família e/ou com os amigos. Do contrário, você corre o risco de ser o chato da turma que não para de fotografar! Registrar os momentos de alegria e descontração é algo importante mas não é o mais importante nesse caso.

• Se for a trabalho, empenhe-se no trabalho conforme as exigências da sua profissão, mas de antemão, verifique quais serão os intervalos livres ou de lazer que você poderá administrar com autonomia. Nesses momentos você pode agir como período bem “fotográficos”. Pode já estudar o local e atracões que encontrará, fazer reservas e roteiros especiais para fotografar. Use a internet para isso. Recorra a amigos e parentes que já viajaram para onde você vai e pegue as “dicas de ouro” ou “como evitar encrencas”.

Geralmente para viagens simples, de lazer e muitas viagens de trabalho, apenas uma boa câmera compacta é suficiente e prática. Não chama muita a atenção, não exige que você leve muitos acessórios e ocupa pouco espaço na bagagem.

A viagem fotográfica!

É essa que todos queremos! Viajar e fotografar são duas coisas muito especiais! Viajar para fotografar é o que há. Só de pensar já enche a cabeça da gente de planos! Mas…sempre tem um “mas”. Planeje! Planejar custa muito pouco! Não planejar pode custar sua viagem.

Aspectos importantíssimos:

1-Orçamento: ponha na ponta do lápis todas as previsões de gastos. Acrescente a isso uma folga para imprevistos. Um grande amigo meu me ensinou: agende o imprevisto! Verifique se seu cartão de crédito está ok, não se permita fazer dívidas acima da sua capacidade financeira, faça cotações com empenho. Viaje bem e barato!

2-Estude o local: use a internet para “conhecer” o que puder previamente. Veja notícias, clima, previsão do tempo, perigos, locais “obrigatórios”, meios de transporte, hospedagem… Pode parecer básico para algumas pessoas, mas muita gente sai de casa sem ver tudo isso.

3-Previna-se: alguns lugares vão exigir que você tenha algum documento especial em mãos como visto, certificados de que tomou alguma vacina, autorização de pesca… Investigue isso. Verifique também se seus documentos pessoais estão em dia especialmente passaporte, carteira de motorista e documentos do seu veículo, conforme o caso. Outra coisa, faça um seguro-viagem se for para o exterior. É um produto que vários bancos e companhias de viagens tem. É uma seguro de vida, saúde e acidentes pessoais que tem a duração da sua viagem. Isso custa pouco e pode ser muito útil. Leve também consigo os telefone de embaixadas do seu país de origem no país de destino, telefones emergenciais, hotel em que você fez reserva, seu plano de saúde, sua central de cartão de crédito…

Agora, a mochila!

É uma delícia preparar a mochila de equipamentos fotográficos. Mas isso exige muita coerência e pé-no-chão.
Temos uma tendência de levar coisas demais. Simplificar é um hábito complexo! Para isso temos que ser objetivos e saber exatamente o que pretendemos.

O kit abaixo é de um importante fotógrafo americano. É uma foto um pouco antiga, mas dá pra perceber a objetividade do sujeito:

Mas, de maneira geral a dica é:

Para fotografar paisagens: uma lente grande angular (ex. 12-24mm ou uma geral como 18-55mm), filtro polarizador e/ou gradual de densidade neutra.

Para ambientes internos ou lugares com pouca luz: uma lente bem clara (com abertura máxima bem grande). Uma ótima opção é uma lente 35mm f/1.8 ou uma 50mm f/1.8. Talvez seja o caso de levar um flash. Se for, lembre de incluir pilhas extras.

Se for fazer imagens bem ao entardecer, que exijam velocidades abaixo de 1/60s, leve um tripé simples. Mas não exagere, esse item geralmente usamos pouco e carregamos bastante.

Para eventos sociais, feirinhas, festas populares: uma lente zoom de uso geral (ex. 18-105mm, 24-70mm…) será tudo que você vai precisar.

Para fotografar animais selvagens ou esportes: uma lente longa como 70-200mm, 200-400mm… sem dúvida.

Para lugares de praia, balneários, pescarias, piscinas ou parques aquáticos: uma câmera a prova d’água ou uma caixa estanque para a sua câmera vai garantir a diversão e ótimas fotos. Se optar por levar a DSLR, leve obrigatoriamente um filtro polarizador. Ele vai eliminar boa parte dos reflexos da luz na água e ainda proteger melhor sua lente.

Acrescente na mochila sempre:
• Pilhas ou baterias extras para tudo.
• Cartões de memória extras previamente “limpos”.
• Carregadores de baterias.
• Kit de limpeza (Lenspen, paninhos, bombas de soprar).
• Proteção contra chuva se for o caso.

Sempre que estiver no hotel ou hospedagem, recarregue as baterias, troque o cartão de memória, faça backup de segurança se puder, verifique o equipamento e planeje o dia seguinte. Saiba de cabeça, onde estará cada item do seu equipamento na sua mochila.

Se for andar em lugares mais hostis, procure usar pouco equipamento e uma bolsa não-fotográfica. Escolha uma bolsa-carteiro que possa ficar com a câmera e alguns itens extras sempre a mão. Assim você chama menos a atenção. As vezes é prudente não usar uma DSLR padrão e sim uma compacta de boa qualidade, assim você fica mais “transparente”.

Depois de separar tudo, encha a mochila e verifique se não é muito peso pra carregar. Seja honesto com você mesmo. Só como referência, uma pessoas de 80kg em boa saúde, carrega durante o dia todo uma mochila de uns 5kg com relativo conforto. Passar muito disso vai exigir uma preparo físico mais específico.
Também esteja atento às exigências de volume e peso das companhias aéreas quanto a bagagem de mão. Jamais despache equipamento fotográfico, leve-o sempre como bagagem de mão.

Eu gosto de levar um caderninho simples e pequeno pra fazer anotações. Uma espécie de diário. Isso me ajuda a organizar as fotografias posteriormente. Também costumo guardar recibos e tickets, mapas de turismo e panfletos dos lugares por onde passei para poder produzir um foto-álbum posteriormente com esses materiais scaneados e com as informações corretas de tudo que aconteceu.

Finalmente, uma mochila adequada para o trabalho. Nem muito grande nem muito pequena. Muitas delas possuem um sistema de alças para prender um tripé médio do lado de fora e uma sobre-capa contra chuvas, isso é legal.

Geralmente menos é mais! Selecione bem o seu kit. É um desafio!

Mas o equipamento também é você:

• Alimente-se bem todos os dias, antes e durante os dias da viagem.
• Leve algo pra comer durante o dia se for ficar longe da sua hospedagem
• Beba muita água sempre.
• Mantenha-se saudável pratique esportes aeróbicos. Prepare-se fisicamente para a empreitada.
• Leve seus medicamentos de uso contínuo (especialmente se for para o exterior) e se possível as receitas médicas correspondentes.
• Planeje seu vestuário de acordo com o local e clima esperado. Evite surpresas.
• Lembre-se dos seus amigos: boné, protetor solar e repelente de insetos. Rsrs

Aproveite bem cada viagem! Ótimos clicks!